Cartas de Iwo Jima é lançado no Brasil

10.07.2007 Editora JBC lança livro bilíngüe que inspirou o filme de Clint Eastwood, indicado a quatro categorias do Oscar

“Mudei minha perspectiva sobre aquele momento histórico ao descobrir as cartas do general Kuribayashi. O lado pessoal ficou mais interessante do que a própria guerra. Descobri, com aquelas correspondências, um sujeito único, um homem bastante sensível e devotado à família”.
Clint Eastwood

O livro

Capa de Cartas de Iwo Jima

As cartas trocadas entre o general Tadamichi Kuribayashi e a família inspiraram o diretor Clint Eastwood a rodar o premiado filme Cartas de Iwo Jima, que mostra o ponto de vista dos japoneses na sangrenta batalha na Segunda Guerra. Mas por que simples cartas familiares deram origem ao filme indicado a quatro categorias do Oscar, da qual ganhou a de melhor edição de som em 2007? Porque quem lê as cartas jamais desconfiaria que foram desenhadas e escritas por um general que lutou praticamente até o último homem em uma batalha perdida. Aos olhos ocidentais, era de se supor que um homem assim só pudesse ser mais um fanático kamikaze. Considerado herói nacional, Kuribayashi foi um personagem muito mais abrangente. As escritas à esposa e aos filhos, não só durante a guerra, como também nos períodos em que viveu no exterior, espelham os mais nobres sentimentos de um povo determinado e guerreiro, capaz, sim, de provocar as maiores barbaridades pela honra do imperador, mas, ao mesmo tempo, terno e devoto à família, artes e natureza. O livro Cartas de Iwo Jima, lançado em edição bilingue pela Editora JBC, é um relato emocionante de respeito e amor à vida e ao próximo.

O que salta aos olhos em Cartas de Iwo Jima, porém, não é apenas o retrato do homem sóbrio e astuto, respeitado até pelos adversários. As correspondências, muitas delas ilustradas, emocionam pelo modo singelo, simples e delicado com que se comunica com a família sobre situações cotidianas, mesmo em meio aos piores cenários. Um dos assuntos tratados com a caçula Takako dias antes do ataque aéreo, por exemplo, foi a criação de animais para fornecer ovos aos combatentes. (ver trecho abaixo)

“Tako-chan, outro dia nasceram quatro pintinhos. Tentamos fazer com que os sete nascessem, mas um ovo estava podre e, em outros dois, os animaizinhos estavam dentro, piando. Como não quebramos as cascas, acabaram morrendo no dia seguinte.”

Batalha de Iwo Jima e o general Kuribayashi

A ilha de de Iwo Jima era considerada o primeiro passo para a vitória americana, pois o local serviria de base para lançar futuros ataques às regiões centrais do Japão.

O governo japonês tinha consciência da importância estratégica e da fragilidade em defender a ilha. Por isso, cogitou até destruí-la por completo. A opção, no fim, foi o da resistência: 22 mil soldados foram enviados para proteger Iwo Jima, na missão de suas vidas. Para comandar esses homens, praticamente enviados para a morte, foi nomeado o general Kuribayashi.

Kuribayashi ficou famoso no mundo por causa de sua estratégia ao mesmo tempo genial e controversa. Muito diferente do esquema de defesa costeira empregado, habitualmente, pelo exército japonês, o general fugiu do combate em superfície. Logo que chegou a Iwo Jima mandou evacuar todos os civis ali presentes. Depois, ordenou a construção de uma rede que resultou em 29 quilômetros de túneis e 5 mil cavernas, em meio ao terreno vulcânico. As estratégias de Kuribayashi, tão criticadas por vários de seus subordinados, tornaram o que seria mais uma derrota fulminante em uma batalha que entrou para a história.

Cartas de Iwo Jima
Autor: Tadamichi Kuribayashi
Organizador: Tsuyuko Yoshida
Código: ISBN 978-85-87679-85-7
Páginas: 232
Formato: 14 x 21 cm
Preço: R$ 39,00

Newsletter Receba as Novidades por E-mail!